As dificuldades de servir a Cristo na Colômbia

As dificuldades de servir a Cristo na Colômbia

10 de Jan de 2022

De perseguidor a perseguido, Jasar (pseudônimo) é um cristão da Colômbia. Ele é também um parceiro local da Portas Abertas. Como ex-guerrilheiro, Jasar conta: "Minha infância foi muito difícil, eu servia aos guerrilheiros". Aos 17 anos, ele já liderava mais de 3 mil homens. O principal alvo deles eram os cristãos.

Atualmente servindo como pastor, Jasar confessa que sua vida não tem sido fácil, mas que tudo é possível com Deus. Na Colômbia, a liberdade é citada como um direito, mas não é assim que acontece. Lá, os cristãos são vistos como uma ameaça ao poder dos líderes locais e às tradições ancestrais indígenas.

Ocupando o 30º lugar na Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2021, a Colômbia apresenta um quadro de perseguição localizada e violenta. Líderes da igreja são ameaçados, assediados, extorquidos e até assassinados como resultado da violência cometida por guerrilheiros e outros grupos criminosos, especialmente nas áreas mais remotas do país. Apesar de ser um país majoritariamente cristão, parece haver uma crescente intolerância contra os cristãos na esfera pública.


Transformado pelo amor de Jesus

Como todo guerrilheiro, Jasar detestava os seguidores de Jesus. Ele achava que eram todos espiões e que não serviam para nada. "Eles não nos davam informações, não nos deixavam levar seus filhos, não nos obedeciam e ainda serviam a Deus. Por tudo isso que os cristãos são vistos como inimigos dos guerrilheiros, sendo perseguidos e mortos", diz Jasar, que afirmava ser ateu.

Mas o amor de Jesus o alcançou e, hoje, transformado, o pastor vem ao Brasil compartilhar sobre como a perseguição aos cristãos acontece em seu país. Ele também explica os desafios que enfrenta como perseguido atualmente. A transição de perseguidor a perseguido nunca foi fácil.

Com o objetivo de aproximar a igreja brasileira da realidade dos cristãos perseguidos, a Portas Abertas recebe correspondentes internacionais. Eles são cristãos que enfrentam perseguição ou colaboradores que atuam diretamente nos países onde há perseguição aos cristãos.

Em 2020 e 2021, devido à pandemia, a Portas Abertas não recebeu correspondentes internacionais. Mas este ano temos o privilégio de receber um. Entre 21 de janeiro e 7 de fevereiro, Jasar compartilhará seu testemunho com a igreja no Brasil.